Exploração mineral em áreas de fronteira: entenda

A faixa de fronteira brasileira tem um potencial enorme para a exploração mineral, porém, a dualidade de interpretação da Lei torna esses procedimentos cada vez mais burocráticos e demorados.



De acordo com a Lei nº 6.634, de 2 de maio de 1979, a prática de pesquisa, lavra, exploração e aproveitamento de recursos minerais em uma faixa interna de 150km, a partir das fronteiras do Brasil, somente pode ser exercida por empresas brasileiras e mediante prévio assentimento do Conselho de Defesa Nacional – CDN.


Dentre as condições que devem ser cumpridas por empresas que desejam exercer atividades de mineração em fronteiras, destacam-se que:

  • pelo menos 51% do capital deve pertencer a brasileiros;

  • pelo menos 2/3 dos trabalhadores devem ser brasileiros, e

  • a administração e gerência da empresa deve ter maioria de brasileiros.


Porém, a Constituição Federal de 1988 e a Emenda Constitucional nº 6/95, que revogou o artigo 171 da CF e acabou com o tratamento desigual entre empresa brasileira com controle exercido por capital estrangeiro e empresa brasileira com controle nacional, deixou dúvidas sobre a revogação das condições previstas na Lei nº 6.634/79. Por isso, durante todo esse tempo a região de fronteira se manteve praticamente inexplorada.


Essa região segregada de faixa de fronteira corresponde a 27% do território nacional. Fosse ela um território à parte, formaria o 12º maior país do mundo. Agora, o governo avalia a possibilidade de desburocratizar as atividades nesse território. A desregulamentação, para atrair novos investimentos, é discutida na Casa Civil com vários Ministérios e, em breve, será enviada na forma de projeto de lei (PL) ou medida provisória (MP) ao Congresso.


Ainda tem dúvidas sobre exploração mineral em área de fronteira? Clique abaixo e preencha o formulário. Entraremos em contato em breve.

FALE CONOSCO

91 visualizações

Insira seu e-mail para receber nossas novidades

  • Facebook
  • insta
  • Twitter

© 2016 - Desenvolvido por ÍGNEA