O passo a passo para explorar água mineral: Relatório Final de Pesquisa

Atualizado: há 3 dias

A partir das informações e dados coletados durante a fase de Pesquisa Mineral, os resultados devem ser apresentados à Agência Nacional de Mineração - ANM sob a forma de um Relatório Final de Pesquisa Mineral - RFP.



De acordo com o Inciso V, do Art. 22 do Código de Mineração, o titular da autorização de pesquisa é obrigado a submeter o Relatório Final de Pesquisa à aprovação da ANM, dentro do prazo de vigência do alvará, ou de sua renovação. Além dos trabalhos de pesquisa mineral, estudos geológicos e tecnológicos, deve ser apresentado estudos de avaliação quantificativa da jazida e demonstrativos da exequibilidade técnico-econômica da lavra. A não apresentação do Relatório sujeita o titular à sanção de multa.


Quando da apresentação do RFP, deve-se considerar a Portaria DNPM nº 231 de 31 de julho de 1998, que dispõe sobre a área de proteção da fonte, objetivando sua preservação, conservação e racionalização de uso. Sendo assim, a definição da zona de influência (ZI), zona de contribuição (ZC), e zona de transporte (ZT), deve ser apresentada utilizando-se de métodos apropriados e adequados às disponibilidade de informações, das características hidrogeológicas e do nível de intensidade de ocupação das áreas em estudo, devendo ser apresentado, o memorial descritivo e a planta de situação da área acompanhada da Anotação de Responsabilidade Técnica - A.R.T.


A ZI, é aquela associada ao cone de depressão do poço em bombeamento ou fonte; a ZC corresponde à área de recarga associada ao ponto de captação, delimitada pelas linhas de fluxo que convergem a este ponto; e a ZC é aquela entre a área de recarga e o ponto de captação, é a zona que determina o tempo de trânsito que um contaminante leva para atingir um ponto de captação, desde a área de recarga, este tempo depende da distância do percurso ou fluxo subterrâneo, das características hidráulicas do meio aquífero e dos gradientes hidráulicos.


Os dados do ensaio de bombeamento, que também devem ser apresentados no RFP, podem auxiliar nos estudos hidrogeológicos para a definição da área de proteção da fonte, visto as características de vazão e recarga em diversos pontos da área do aquífero.


Sendo assim, o Relatório Final de Pesquisa, a depender do resultado dos fatores técnico-econômicos, deve ter por conclusão:

  • a exeqüibilidade técnico-econômica da lavra;

  • ou inexistência de jazida;

  • ou inexeqüibilidade técnico-econômica da lavra em face da presença de fatores conjunturais adversos, tais como:

a) inexistência de tecnologia adequada ao aproveitamento econômico da substância mineral;

b) inexistência de mercado interno ou externo para a substância mineral.


A partir da entrega do Relatório, a Agência verificará sua exatidão e, à vista de parecer conclusivo, proferirá despacho de:


  • aprovação do relatório, quando ficar demonstrada a existência de jazida;

  • não aprovação do relatório, quando ficar constatada insuficiência dos trabalhos de pesquisa ou deficiência técnica na sua elaboração;

  • arquivamento do relatório, quando ficar demonstrada a inexistência de jazida, passando a área a ser livre para futuro requerimento, inclusive com acesso do interessado ao relatório que concluiu pela referida inexistência de jazida;

  • sobrestamento da decisão sobre o relatório, quando ficar caracterizada a impossibilidade temporária da exequibilidade técnico-econômica da lavra, conforme previsto no inciso III do art. 23 do Código de Mineração.

Se a decisão da Agência for proferida por impossibilidade temporária da exequibilidade técnico-econômica da lavra, a ANM fixará prazo de até 3 (três) anos para o interessado, obrigatoriamente, apresentar novo estudo da exequibilidade técnico-econômica da lavra, sob pena de arquivamento do relatório. Caso o novo estudo apresentado indicar a impossibilidade de exequibilidade, a ANM poderá conceder ao interessado, sucessivamente, novos prazos, ou colocar a área em disponibilidade, se entender que algum terceiro poderá viabilizar a eventual lavra.


Uma vez comprovada a exequibilidade técnico-econômica da lavra, a ANM proferirá despacho de aprovação do relatório. A partir da data de publicação da aprovação do relatório no Diário Oficial da União, passa-se a contar o prazo de um ano para o titular requerer a Concessão de Lavra à Agência. Este será o tema da nossa próxima postagem sobre da série Como explorar água mineral: entenda passo a passo.



Em caso de dúvidas, entre em contato via whatsapp clicando no link a seguir:

FALE CONOSCO

166 visualizações

Insira seu e-mail para receber nossas novidades

  • Facebook
  • insta
  • Twitter

© 2016 - Desenvolvido por ÍGNEA